Get Adobe Flash player
Sex, 17 de Maio de normal cialis dosage 2013 11:03

2º Trim. 2013 - Lição 7 - O divórcio III

Escrito por  Pb. Marcos Jacob de Medeiros

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

SEGUNDO TRIMESTRE DE 2013

A FAMÍLIA CRISTÃ NO SÉCULO XXI: Protegendo seu lar dos ataques do inimigo

COMENTARISTA: ELINALDO RENOVATO DE LIMA

COMENTÁRIOS - PB. MARCOS JACOB DE MEDEIROS

ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SETOR 31 - ERMELINO MATARAZZO, SÃO PAULO/SP

 

LIÇÃO 7 - O DIVÓRCIO

Mateus 19.3-12

 

I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO

1. O divórcio no Antigo Testamento (Dt 24.1-4)

2. Como era, na prática,  o divórcio em Israel

  2.1. A prática havia se tornado comum em Israel

  2.2. O divórcio é e era um ato extremo (Ml 2.16)

  2.3. As pessoas se divorciavam por motivos banais

3. Quais eram os objetivos que levaram a permissão do divórcio

  3.1. A fim de evitar abusos

  3.2. A preservação da família

  3.3. Proibição de outros casamentos pela  pessoa divorciada

4. O Antigo Testamento incentiva o divórcio?

  4.1. Nenhuma lei do Antigo Testamento incentivava o divórcio

5. O certo para o casamento

  5.2. O casamento é uma aliança de amor que não pode ser quebrado

6. A carta de divórcio

  6.1. Ao receber a carta de divórcio, tanto o homem quanto a mulher, estavam livres para se casarem novamente

  6.2. A mulher repudiada, depois de viver com outro marido, não podia retornar ao primeiro (Dt 24.4; Jr 3.1)

  6.3. Havia várias formalidades e, somente o homem podia pedir o divórcio

II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO

1. Apergunta dos fariseus

1.1. Se era lícito repudiar a mulher por qualquer motivo (Mt 19.3b)

            . Era uma idéia difundida pela escola do  rabino Hilel

1.2. A resposta de Jesus leva ao princípio determinado por Deus (Mt 19.6b; Gn 2.24)

            . Essa é a doutrina originária da união entre um homem e uma mulher

            . É uma união indissolúvel

2. O ensino de Jesus

2.1. Os fariseus insistiram no assunto (Mt 19.7b)

2.2. Uma mulher abandonada pelo marido ficaria exposta à miséria ou à prostituição para sobreviver

            . Com a carta de divórcio ela poderia casar outra vez

2.3. Segundo ensinou Jesus o divórcio somente é permitido em caso de how do i purchase viagra infidelidade (Mt 19.19)

3. Permissão para novo casamento

3.1. Jesus permitiu o divórcio, com a possibilidade de um novo casamento, somente por parte do cônjuge fiel

3.2. Deus permite o divórcio, não como regra, mas como exceção

3.3. Todavia o crente tem forças para perdoar e restaurar o seu casamento

III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO

1. Aos casais crentes (1Co 7.10,11)

1.1. Se há desentendimento o caminho não é o divórcio, mas a reconciliação

1.2. O celibato deve ser por opção e não por obrigação eclesiástica

2. Quando um dos cônjuges não é crente (1Co 7.12-14)

2.2. Se o não crente concorda em viver com o crente, que este não o deixe

2.3. O crente com sabedoria poderá ganhar o não crente (1Pe 3.1)

3. O cônjuge fiel não está sujeito à sujeição (1Co 7.15,16)

3.1. O crente não é obrigado a viver com o ímpio se o mesmo não a quer

3.2. Neste caso o crente vai reconstruir sua vida de acordo com a vontade de Deus (1Co 7.27,28,39)

COLABORAÇÃO PARA O PORTAL ESCOLA DOMINICAL - PB. MARCOS JACOB DE MEDEIROS